sábado, 21 de julho de 2018

Aqui eu te amo

Nos escuros pinheiros se desenlaça o vento.
Fosforece a lua sobre as águas errantes.
Andam dias iguais a perseguir-se.

Descinge-se a névoa em dançantes figuras.
Uma gaivota de prata se desprende do ocaso.
As vezes uma vela. 

Altas, altas, estrelas.
...
Aqui eu te amo.

                                                                                             (Pablo Neruda) 
 Aqui você existe 

Nenhum comentário:

Postar um comentário